domingo, 16 de outubro de 2005

Referendo





Complicado decidir sobre um assunto como o referendo.

Eu particularmente acho as armas a maior bestialidade dos seres humanos.
Sou absolutamente contra a fabricação, e acho que não resolve nada portar arma no trânsito ou em casa. Se resolvesse alguma coisa, os níveis de violência não estariam como estão!

Em 2001 fui vítima de um maluco armado.
Tivemos uma colisão de carros em um cruzamento de Moema, e o cara saiu do carro com uma arma apontada para a minha cabeça. Gritava descontrolado que ia me matar, que eu tinha acabado com o carro dele!
Depois de umas coronhadas, empurrões e tapas, consegui fugir para um restaurante e chamar a polícia.

Arrisquei minha própria vida, mas naquele momento, era ou tudo ou nada, o cara estava absolutamente fora de controle...

Enfim, tudo acabou bem, a polícia chegou, nem vi o desfecho. Estava tão atordoado que tudo o que fiz foi ir embora para casa. Feliz por estar vivo!

Eu penso que liberdade em todos os sentidos (q me desculpem os amigos) é para quem tem responsabilidade total de exercê-la e nesse caso conheci alguns poucos (pelos livros) mas nunca ninguém pessoalmente que realmente pudesse exercê-la completamente.

Fica a dúvida, se eu votar SIM (q sou contra o comércio de armas) será que estou endossando o tráfico, a submissão da população ao poder público e à bandidagem?

E se eu votar NÃO, será que um dia posso tomar uma bala de um infeliz que comprou a arma depois da minha decisão no referendo?

A vida nem sempre é fácil, os caras ainda complicam...

Nenhum comentário: