terça-feira, 4 de outubro de 2005

Do agir

Resolvi agir, fazer as pequenas coisas que estavam na minha frente, encabeçar os projetos.

Um telefonema, um contato, e pronto chegamos lá, onde antes parecia impossível, inatingível. Tentar é tudo, conseguir é o processo.

Um passo de cada vez, sem se frustrar, sem querer nada com muita vontade.
"Quem muito quer nada tem." Hoje entendo melhor isso.

Abandonamos as coisas porque geramos demasiada expectativa.
Nos deixamos atingir emocionalmente pelas pequenas dificuldades, porque dentro mesmo já estamos derrotados.

Não quero acreditar mais no que é difícil, mas sim na capacidade humana de converter o que aparentemente é mau, em ações benéficas. Na minha própria capacidade de alterar meu em torno.

Com a comunicação podemos descobrir nossos semelhantes, em idéias, e gerar uma massa crítica suficiente para a ação.

O mais difícil é fazer nascer o broto, romper a casca que ficou por semanas, meses, anos, décadas esperando as condições certas para abrir.

No agir é mais importante a constância e a frequência do que a intensidade da força.

Um comentário:

cris cartacho disse...

Nossa... é verdade...por quê dificultamos tudo? por quê queremos o impossível?
bjs